Cinco lições que aprendemos na derrota para a Juventus

Após dois anos, os monegascos voltam a perder para os italianos, desta vez no jogo de ida das semifinais. Porém, apesar da derrota o Monaco voltou a fazer história na história do Futebol Francês.

Apesar de termos perdidos por 2 a 0, nesta última terça (3) para a Juventus no estádio Louis II, nada está perdido! Passei 90 minutos analisando dois times em campo e com o coração na mão, porém por um momento refleti a seguinte questão: O que é que está passando na cabeça do comandante Leonardo Jardim?

Decidi então separar cinco questões a serem analisadas por mim, na qual me faz entender seriamente o treinador e o resultado do jogo. Aqui estão.

1. Na ausência de Mendy, quem escalar?

Começo a dizer que essa ausência foi sentida de fato por toda a equipe. Benjamin Mendy, destaque até então foi desfalque de última hora não dando para fazer sequer um planejamento para o substituir, em seu lugar foi Dirar.

Muito perguntam: E por onde anda Jorge? Bom, devemos que lembrar que o brasileiro por mais talentoso que seja ainda está em fase de adaptação. Além do mais, dadas as circunstâncias não valia arriscar.

O jogador poderia sentir a pressão, errar, prejudicar ainda mais a situação e sabemos que Jardim não é de queimar o jogador, muito pelo contrário, sua filosofia é de ajudá-lo a crescer futebolisticamente.

2. Subasic é ídolo, mas não o maior goleiro que existe

Esse tópico é um tanto polêmica, visto que Danijel Subašić joga desde 2012 com as cores do Rouge et Blanc. Ele chegou ao Monaco quando o mesmo tentava se reestruturar e ainda jogava na Ligue 2 (segunda divisão francesa), não podemos negar que fez muito pelo nosso time.

Porém, o jogador não está nos mesmos níveis dos melhores goleiros do mundo, longe disso. O croata não comprometeu, entretanto quase falhou. Não penso que descartá-lo seja importante, não somos o PSG para tal ordem.

Só precisava admitir que não temos o melhor goleiro do mundo e nem ninguém tão bom o suficiente para fazer sombra à ele.

3. Buffon e falta de aproveitamento
Sejamos francos, o Monaco jogou muito bem. Para ser sincera, certos momentos da partida se apresentou melhor que os Bianconeri, contudo parava por conta de um simples arqueiro, Gianluigi Buffon.

Foram uma sessão de ataques feitos pelos monegascos que paravam por defesas espetaculares do italiano e quando ele estava vendido e pronto para tomar gol, perdíamos a chance.

Falcão por exemplo, poderia ter marcado seu tento se não tivesse chegado atrasado nos principais ataques, o que poderia ter diminuído a difícil situação na qual nos encontramos.

4. A defesa da Juve é a melhor do mundo

Não gosto de elogiar rivais, mas temos que ser sinceros no que se trata de defesa que os campeões italianos tem. Em relação a números, apenas dois gols sofridos em toda a competição é um feito muito grande.

Foi difícil fazer um gol dentro de casa diante a melhor defesa do campeonato mas tentamos. Mesmo tendo uma péssima arbitragem apitada pelo árbitro espanhol Antonio Mateu Lahoz na qual não expulsou Chiellini quando claramente deveria ter dado cartão vermelho, a dupla defensiva dos Bianconeri foram perfeitos.

Apesar de não ter havido expulsão, pelo menos não enfrentaremos Chiellini em Turim. Sei que é impossível o resultado, ao meu ver creio que não temos chances. Mas o futebol é uma caixinha de surpresas e vai que ele me surpreenda, não irei reclamar se essa façanha acontecer.

5. Os meninos não sentiram a pressão

Muitos acreditavam que os garotos sentiriam pressão se tratando de uma semifinal de Champions League, mas muito pelo contrário eles mostraram suas armas. Vou começar falando do Kylian Mbappé, 18 anos e certos momentos da partida ele aparecia como herói da pátria, porém como disse anteriormente, parava em Buffon.

Outro jogador que apareceu muito bem foi Bernardo Silva, o meia português teve uma facilidade para criar chances para os demais companheiros. Com dribles, visão apurada e velocidade, infelizmente a zaga da Juve foi muito maior que o nosso faro de gol.

Sidibé, Bakayoko e até o brasileiro Fabinho não foram tão bem quanto o esperado por eles e falharam em excessivos erros de passes, sem contar defensivamente.

O maior problema na minha humilde opinião é a zaga, por mais que Kamil Glik e Jemerson sejam bons, segurar uma dupla fatal como Gonzalo Higuaín e Paulo Dybala é muito difícil.

O brasileiro, já tinha falhado diante o Toulouse e a sua falta de comunicação com Glik em alguns momentos fez a partida tornar-se derrota. Entretanto, não jogo a culpa 100% nele, é guerreiro como o time do Monaco e sempre estará no meu coração.

Reforço meu tema de nada está perdido, entretanto sejamos francos que já estamos claramente eliminados. Não acredito em uma virada ainda mais na Itália, em cima de uma equipe que não sofre gols, nem mesmo do Barcelona que tem o trio Messi, Neymar e Suarez.

Entretanto, ânimo, ainda há outro jogo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s